Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Novamente Geografando

Este blog organiza informação relacionada com Geografia... e pode ajudar alunos que às vezes andam por aí "desesperados"!

Novamente Geografando

Este blog organiza informação relacionada com Geografia... e pode ajudar alunos que às vezes andam por aí "desesperados"!

VIVER EM ZONAS RUIDOSAS PODE AUMENTAR RISCO DE MORTE, DIZ ESTUDO

Mäyjo, 10.06.17

cidade_SAPO

A exposição ao ruído do tráfego automóvel aumenta o risco de morrer por doença cardiovascular, assim como o risco de ser hospitalizado por um acidente vascular cerebral (AVC), de acordo com um estudo publicado na revista European Heart Journal e citado pela  Veja e pelo agregador O Meu Bem Estar.

 

O estudo, que analisou cerca de 8 milhões de pessoas que viviam em Londres entre 2003 e 2010, procurou estabelecer uma relação entre um trânsito muito barulhento e uma taxa elevada de AVC.

Segundo os investigadores britânicos, as pessoas que vivem numa zona onde o ruído gerado pelo tráfego automóvel ultrapassa os 60 decibéis durante o dia apresentam um risco 4% maior de morte em comparação com aquelas que vivem em áreas mais calmas. O ruído agrava a hipertensão, os problemas do sono e o stress, que são factores de risco conhecidos doenças cardiovasculares, acrescenta o estudo.

Os adultos que moram perto de zonas particularmente barulhentas durante o dia também tiveram um risco 5% maior de serem hospitalizadas devido a um AVC, percentagem que chega aos 9% no caso dos idosos. Nas áreas barulhentas durante a madrugada, contudo, apenas as pessoas mais velhas apresentaram um risco maior – 5% – de sofrer um AVC.

Segundo Jaan Halonen, da London School of Hygiene & Tropical Medicine, que coordenou o estudo, esta é a primeira investigação a estabelecer uma relação entre o ruído e os acidentes vasculares cerebrais no Reino Unido. Em Londres, mais de 1,6 milhões de pessoas vivem nas áreas onde o ruído ultrapassa os 55 decibéis durante o dia.

“Este estudo não prova que o ruído está na origem das doenças cardiovasculares, mas é coerente com outras pesquisas que mostram o seu impacto no aumento da hipertensão e pode, assim, contribuir para seu desenvolvimento”, explicou Tim Chico, professor de cardiologia da universidade de Sheffield. Chico ressalta que o risco associado ao ruído é “bem menor” do que o relacionado com o tabagismo, a obesidade ou o sedentarismo.

Foto: Navaneeth KN / Creative Commons

RUÍDO DO TRÂNSITO URBANO PODE PROVOCAR PROBLEMAS DE COMPORTAMENTO NA INFÂNCIA

Mäyjo, 29.05.17

Tráfego de veículos durante o dia em grande cidade brasileira.

Um novo estudo dinamarquês relaciona a exposição ao ruído do trânsito urbano a problemas de comportamento na infância, especialmente a hiperactividade ou a falta de concentração.

 

Estudos anteriores haviam já relacionado os problemas da poluição sonora com problemas de saúde na idade adulta, nomeadamente alterações de humor e ansiedade. Este novo estudo, publicado na revista científica Environmental Health Perspectives, vem agora provar que o ruído do trânsito urbano também afecta as crianças, especialmente durante as etapas mais sensíveis do seu desenvolvimento.

Na nova investigação, os cientistas quiseram averiguar se a exposição ao ruído do trânsito urbano estava associado com problemas comportamentais em crianças com sete anos. Para tal contou-se com a participação de 46.940 crianças dinamarquesas com sete anos, tendo sido reunido todo o seu historial clínico desde o nascimento à idade em questão. As questões comportamentais foram depois avaliadas através da observação e de um questionário aos pais das crianças.

“Descobrimos que uma exposição média superior de 10 decibéis ao ruído do tráfego rodoviário desde o nascimento até aos sete anos está associada a uma probabilidade 7% maior de vir a desenvolver problemas comportamentais. Verificou-se ainda um aumento de 5% e 9% na probabilidade de desenvolver hiperactividade e falta de atenção, respectivamente, e um aumento de 5% dos comportamentos anormais e 6% nas relações com os outros”, explica Jordi Sunyer, investigador que participou no estudo, à agência SINC.

Foto:  Laeti Imagens / Creative Commons

RUÍDO URBANO

Mäyjo, 12.11.16

COMO MINIMIZAR A POLUIÇÃO SONORA NAS GRANDES CIDADES?

ruido-nas-cidades

O barulho nas cidades faz parte do nosso dia-a-dia, e com toda a certeza iríamos estranhar se as cidades ficassem de repente imersas em silêncio.

 

O ruído é hoje assumido como algo normal, quase parte integrante das cidades. Numa altura em que mais de metade da população mundial vive em centros urbanos, exactamente onde o ruído é mais elevado, talvez seja importante passarmos a encarar o ruído urbano como poluição sonora.

Só em Portugal, as estimativas indicam que 60% da população está exposta a níveis de ruído muito acima dos recomendados pela Organização Mundial de Saúde.

Mas como evitar, ou pelo menos minimizar, o impacto que o ruído das cidades tem no nosso dia-a-dia?

A resposta, com várias opções fáceis de aplicar diariamente, neste vídeo Minuto Verde.

O Minuto Verde é uma rubrica produzida pela Quercus e emitida aos dias úteis na RTP.

 

Foto: via Creative Commons